Topo
K-Pop Pop Pop

K-Pop Pop Pop

MAGIC mostra a ótima evolução de TXT em menos de um ano

Camila Monteiro

21/10/2019 12h36

Hoje (21) o aguardado lançamento do primeiro disco completo da TXT (lê-se Tomorrow By Together) aconteceu e todo mundo que tem twitter já sabe disso porque assim como seus sunbaenims (BTS pros leigos), eles ocuparam todos os trending topics da rede social. Dream Chapter: MAGIC em pouco mais de cinco horas já se encontra em #1 lugar no itunes de vários países e TXT se tornou o primeiro grupo rookie (novato) a debutar em #1. Enquanto os números seguem surpreendendo e aumentando, eu confesso que estava com grandes expectativas para esse primeiro disco mais longo pelo simples fato de 2019 ser um ano repleto de rookies extremamente qualificados. TXT já sofre com a pressão se ser da mesma empresa que BTS, e debutar em um ano cheio de outros ótimos novatos é ainda mais complicado. Porém os teasers  que a Big Hit soltou me convenceram que eu podia sim esperar um conteúdo de muita qualidade, e foi exatamente isso que eles entregaram.

Claramente inspirados em Harry Potter, tanto pelo nome – 9 and Three Quarters – Run Away é um pop rock que remete ao início dos anos 2000 e confirma a tendência da nossa volta para um tempo não tão distante (mas distante o suficiente para sentirmos saudades). Seguindo tradição da Big Hit, a coreografia é bastante criativas e complementa muito bem a música. Em meio a magias, piscinas e curativos, o MV é como se os meninos de Crown estivessem passando por uma fase PG13 de I need u/Run em seu primeiro ano em Hogwarts. É um híbrido bem estruturado de coisas que deram certo, portanto é naturalmente bom. A Big Hit considera a música um new wave/synth pop mas os meus ouvidos acham 100% pop rock 2002 com pitadas de You're a wizard Harry.

O disco contém oito faixas e todas elas são bastante distintas umas das outras mas sem perder a coesão, uma tarefa mais difícil do que parece. E não havia melhor forma de começar uma jornada do que com New Rules onde no refrão Yeonjun anuncia que eles estão de saco cheio da escola, querem "go punk" e LET ME GO LET ME GO LET ME (Me deixa em paz em tradução bastante livre). A música é um funky pop, meio disco, com um refrão marcante e que já desde o início mostra a evolução das vozes de todos os integrantes. Kai tem uma voz que meus ouvidos sempre pescam primeiro e gosto do que isso quer dizer, principalmente porque ele é o maknae, e tem muito a crescer. E apesar da pouca idade – 17 anos, – ele é o primeiro integrante do grupo a aparecer como co-produtor, da terceira faixa do álbum, Roller Coaster. Os assuntos abordados no disco são bem condizentes com a idade dos integrantes e a música trabalha justamente com o sentimento de medo e adrenalina que é encarar a vida com uma montanha russa de emoções. A produção de Roller Coaster é ótima, além de Kai, Taehyun se destaca muito como vocalista principal. Ele é nitidamente o mais gogó de ouro, na linha grandes vocalistas coreanos, que o grupo possui.

Tanto Poppin' Star quanto Can't We Just Leave the Monster Alive? são as faixas mais kpop (ou o que esperamos ouvir na maioria das vezes), com letra divertida, um edm que funciona – sim, sempre tem que ter um edm – e que certamente serão perfeitas para coreografias e stages mais jovens. O que mais gostei dessa combinação foi a ordem e posicionamento no disco, pois balançam bem com o início que é mais fora da caixa, e conecta melhor com o início deles em Dream Chapter: Star. Essa ponte é importante para não apagar a identidade que foi apresentada inicialmente, dá chance de a gente perceber a evolução deles nesses sete meses de existência do grupo e conecta bem com a parte final do disco composta por Magic Island, 20cm e Angel or Devil.

Magic Island é a primeira balada do disco e segue a linha Big Hit de voltar ao passado, refletir e discutir dificuldades da vida. Não à toa, a empresa já nos avisa antes de cada MV: "music & artist for healing" (música e artista que curam) e é isso que essa música faz, depois de uma série de ótimos jams que vão do funky, dreamy ao puro kpop no auge do seu pop. E a música também tem o papel de nos preparar para 20 cm (lendo essa frase em voz alta eu peço perdão, mas não tem jeito) que vem em seguida e é provavelmente a melhor música do disco. Sim, eu, você e praticamente todo mundo quando viu a track list do disco e leu 20 cm pensou ENTÃO TÁ. Mas TXT foi quem riu no final, pois a música é um r&b, slow jam, cheia de alma, lembrando a icônica boyband Boyz II Men com Yeonjun brilhando nas harmonizações e modulações vocais. A música é certamente a mais fora da curva para eles, diferente de tudo presente no Star e excelente para mostrar como eles combinam bem as vozes e entregam uma canção mais madura. O que significam esses 20 cm? A explicação dada pela BH remete a uma brincadeira entre o crescimento do coração e altura em relação a pessoa que eles gostam. Claramente temos uma situação aberta a intepretações, mas de qualquer forma a música é um dos destaques do disco. 

E fechando o álbum temos a música mais síntese da TXT até então: Angel or Devil. É a faixa mais Star, cheia de referências (inclusive a Boy in Luv de BTS), com uma coreografia ótima como podemos ver abaixo e é a faixa que melhor mostra o talento que eles possuem como rappers. A música poderia facilmente ser lead single do disco pela qualidade que possui, o que diz muito sobre toda a obra. Os BangleBangleBangle de Beomgyu ficarão para sempre na sua cabeça e o melhor a fazer é escutar on looping e aceitar que estamos diante de um hit.


Abaixo podemos ver o momento da música que Huening Kai dança brevemente a coreografia de Boy In Luv, clara homenagem aos sunbaenims BTS.

Em pouco menos de meia hora, Dream Chapter: MAGIC é um excelente início de jornada para a TXT. Star já havia nos dado uma boa ideia do que teríamos pela frente, principalmente levando em consideração que Big Hit gosta de contar histórias – longas – e cheias de referências que geram centenas de teorias e consequentemente engajamento. No entanto nada disso funcionaria sem música de qualidade, e MAGIC não apenas avança a história criada pelo grupo, como mostra que em menos de um ano eles já cresceram muito e que isso é só o começo. Não deve ser nada fácil coexistir na mesma empresa que BTS, o grupo de kpop mais bem sucedido de todos os tempos, e por isso as palavras de Soobin, líder da TXT, na coletiva do grupo no lançamento do disco são tão importantes: "Estamos cientes que tanto BTS quanto a Big Hit nos deram enormes asas para voar. E para que a gente consiga voar alto com essas asas nós precisamos de um corpo forte. E por isso estamos nos preparando muito e continuaremos trabalhando cada vez mais para nos tornarmos hobaes (juniors) de quem BTS terá orgulho". Se depender do disco, dos stages e da humildade de Soobin, o rookie do ano nunca esteve tão próximo.

Sobre a autora

Camila Monteiro é jornalista e estudante de doutorado em música, mídia e fandoms. Ama cultura pop e é muito fã de Bangtan. Sua vida se divide em antes e depois que ela viu Park Jimin na sua frente.

Sobre o blog

Nesse espaço discutiremos o Universo Kpopper: fandoms, bandas, debuts, disbands, MVs, álbuns, tours, coreografias, Coréia e tudo que o K-Pop nos oferece. Entre visuals, rappers e vocalistas, ultimates e bias wrecker estabelecido(a)s, vamos refletir sobre as diferentes gerações do pop coreano, a influência na moda, beleza, cultura e como o K-pop muda a vida das pessoas.

KPop Pop Pop