PUBLICIDADE
Topo

Melhores de 2019: Discos Solo

Camila Monteiro

07/12/2019 14h49

Depois de muito pensar sobre os lançamentos que tivemos em 2019, um ano de grande crescimento para o kpop, apesar de bastante difícil em outros tantos aspectos – saúde mental principalmente -, iniciarei hoje uma série de posts com os Melhores de 2019. Para facilitar a vida de todos nós, decidi criar um top 10 em todas as categorias e usarei menções honrosas de vez em quando pois muita música boa vem sendo feita no pop coreano. Majoritariamente falarei de kpop, mas r&b e k-rap também terão seu momento – Epik High, estou olhando pra vocês – por aqui.

Abro essa série com uma seleção dos melhores discos solo lançados esse ano.

#10 April, and a flower – CHEN

Demorou mas finalmente o disco solo de uma das grandes vozes da EXO saiu. A estreia de Jongdae (Chen) no primeiro dia de abril com April, and a flower foi exatamente o que os fãs esperavam dele: voz, alma e sofrências do bem. O disco foi um sucesso de público e crítica e por causa disso, 6 meses depois o cantor lançou seu segundo mini álbum, o Dear my dear.

Estilo: Romântico/trilha sonora de dramas coreanos

Destaques: Beautiful goodbye e Portrait of you

#9 Before We Begin – Eric Nam

Fiquei em dúvida se colocaria Before We Begin nessa lista pois Eric Nam não canta em coreano, mas depois de muito considerar achei que pelo trabalho que ele vem divulgando, podcasts, entrevistas, sendo bastante ativista em prol dos artistas de kpop, resolvi que sim, o disco merece ser enaltecido. BeB é provavelmente o disco mais recente nessa lista – saiu em novembro – e é um daqueles projetos que funciona do início ao fim. Não é nenhuma reinvenção da roda, nada muito diferente, mas é um pop bom que soa como um híbrido entre Jason Mraz e Ed Sheeran.

Estilo: pop circa 2002 (que está de volta mais forte do que nunca) com pitadas r&b

Destaques: You're Sexy I'm Sexy e Wonder

#8 I wanna be (repackage) – KEY

Okay, se Eric Nam foi um pouco fora da curva por não cantar em coreano, Kim Kibum  (KEY) entrou na lista pela força do repackage, pois I wanna be, nada mais é do que o FACE (disco que ele lançou ano passado), com o single novo. Porém o disco é tão bom e I wanna Be possui participação da ótima Soyeon das IDLE, que me senti na obrigação de colocar aqui pois 2019 merece esse presente. Logo depois do relançamento, Kibum foi servir e ficará até 2021 fora dos palcos para tristeza das shawols (e de todos nós com bom gosto). Eu até hoje fico chateada com a péssima divulgação que esse disco teve; desde as escolhas equivocadas de single, passando pelas performances ao vivo e pouca oportunidade de mostrar o artista que Kibum é. De qualquer forma, segue um dos melhores lançamentos dos últimos tempos.

Estilo:  electro-pop, Escola Years & Years de pop

Destaques: GOOD GOOD. Sim, em caixa alta. E chemicals. E honest, e okay, todo disco. Porém good good é todo um outro nível.

#7 WANT – TAEMIN

As shawols (fãs da SHINee) estão muito bem servidas de discos solo, pois saímos de Kibum para Lee Taemin, um dos melhores solistas da indústria. É impossível achar um disco ruim de Taemin, pois ele não trabalha com mediocridade – ao menos não sozinho, e sim SuperM, estou olhando e julgando você – e Want foi outro grande acerto na carreira dele. Mais maduro, sensualizando e como sempre, dono do palco, o disco é uma mistura de sons bem interessante e até mesmo inesperada em alguns momentos. A coreografia merece um post só para ela (e sim spoiler, pois Want está também na lista de melhores coreografias do ano).

Estilo: Lee Taemin. De verdade, esse gênero já existe e WANT não poderia ser mais Lee Taemin.

Destaques: Artistic Groove e WANT

#6 Love Poem – IU

Absolutamente tudo que Jieun toca vira ouro. Ela não é a cantora mais bem sucedida da Coréia à toa, e a cada álbum ela parece se sentir mais confortável sendo ela mesma, alguém que cresceu diante de todos os holofotes possíveis e imagináveis. Love poem é quase um voz e violão, muito gogó, extremamente melódico e dá o foco necessário para a voz dela brilhar. É daqueles discos que fica com a gente depois que escutamos.

Estilo: romântico, voz e violão, balada de aquecer o coração

Destaques: The visitor e Love poem

#5 Purpose – TAEYEON

O segundo disco completa de Taeyeon, Purpose, é uma das melhores coisas que aconteceram no kpop esse ano. Com uma carreira repleta de sucessos, seja nas Girls Generation ou em sua carreira solo, a cantora tem uma trajetória marcada por hits pop perfection – Why? é uma das melhores músicas do kpop sim, escute e entenda – portanto era isso que eu esperava desse segundo álbum. Taeyeon no entanto fez muito mais, e trouxe o gogó dela em faixas extremamente bem produzidas, saindo do lugar comum, lembrando Celine Dion das antigas e Adele recente. Um pop com toques jazzy, muitos momentos r&b e vozeirão no centro de tudo. O disco é excelente do início ao fim, sem nenhuma faixa pulável.

Estilo: pop, r&b, se você gosta de Adele dê o play e seja extremamente feliz

Destaques: LOL & Find Me, porém todo disco é ótimo

#4 Color on Me – KANG DANIEL

Kang Daniel é um dos idols mais populares da Coréia, isso graças ao seu primeiro lugar conquistado no reality show Produce 101, de onde saiu o grupo temporário Wanna One. Em dois anos, Wanna One se tornou um dos grupos mais bem sucedidos do kpop atual, vendendo menos apenas do que BTS e EXO. Com o fim do grupo, Daniel seguiu carreira solo e teve diversos contratempos com a sua antiga agência. Depois de muita confusão, ele acabou abrindo a sua própria empresa e lançou color on me, seu primeiro disco. Confesso que com tanta informação e desencontro eu achei que o álbum não seria bom como poderia mas estava enganada. Apesar de ter apenas cinco músicas, color on me foi uma ótima forma de apresentar seu projeto solo e conquistar um público ainda maior. Misturando r&b com faixas bem pop de rádio que funcionam, Daniel só melhora. Depois desse disco ele já lançou a excelente Touchin', um dos melhores singles lançados esse ano.

Estilo: pop, r&b

Destaques: What are you up to e I HOPE

#3 She's Fine – HEIZE

Chega a ser inacreditável que esse é o primeiro disco completo que HEIZE lança, após fazer sucesso com vários singles, incluindo trilha sonora de grandes dramas coreanos. O que eu mais gosto na cantora é que ela faz tudo: canta, faz rap, escreve e produz. Em She's Fine ela abre o disco dizendo numa espécie de mantra que ela está bem. O álbum mostra o contrário, e todo processo de dor e dificuldade dela é contado com parcerias que fazem sentido, letras íntimas que nos tocam profundamente. Dá para entender perfeitamente o porquê de Suga (Yoongi de BTS) ter feito a excelente parceria com ela em We don't talk together. She's fine é consolidação de arte e artista e merece ser escutado em ordem.

Estilo: r&b, neo-soul, por vezes jazz e pop.

Destaques: Todo disco. Honestamente sou incapaz de escolher pois todas as músicas são essenciais para entender o trabalho final.

#2 Flourishing – CHUNG HA

Sem dúvidas 2019 foi o ano da consolidação da carreira de Kim Chung Ha. Com a excelente Gotta Go, que infelizmente não está nesse disco, e posterior lançamento de Flourishing, a cantora mostrou que é uma diva pop capaz de competir com qualquer outra cantora da indústria, não apenas no kpop. O disco lembra muito o My Everything, um dos meus discos preferidos da Ariana Grande. A voz de Chung Ha por vezes é bastante similar a de Ariana, e isso é um grande elogio, pois ela combina a voz, com elementos do kpop e coreografia incrível, afinal ela é uma das melhores dançarinas do pop coreano atual. O melhor é saber que esse é só o início da trajetória da cantora, que tem um futuro brilhante pela frente.

Estilo: pop, r&b

Destaques: Snapping e Flourishing

#1 City Lights – BAEKHYUN

City Lights é sem dúvida o disco que eu mais escutei esse ano na categoria artista solo. E com uma folga enorme, seja por ter sido lançado no meio do ano, ou pelo fato de que eu realmente acho um dos melhores trabalhos que a SM já lançou. É importante lembrar que essa lista contém vários artistas da empresa (Baekhyun, Taemin, Taeyeon, KEY, Chen), e que esse ano foi marcado pela discrepância na qualidade dos discos dos artistas solo vs discos dos grupos da casa. Chama atenção ver como todos os solos foram bem planejados e refletem bem o momento de cada idol em suas respectivas carreiras e como os discos de grupos pareceram todos desconectados e confusos. Baekhyun é a minha voz preferida da EXO junto com Kyungsoo (D.O), e confesso que tinha certo receio que o disco de estreia dele fosse uma continuação da unit EXO-CBX, que eu não acho particularmente ruim, mas que também nunca me chamou atenção, principalmente considerando o potencial de todos ali. A minha grata surpresa veio em forma de City Lights, um disco repleto de músicas boas, diferente do que a EXO faz, mostrando a personalidade fortíssima e carisma imenso que Baek possui. As músicas têm uma produção muito acima da média e não comprometem a voz dele em momento nenhum, muito pelo contrário. É até difícil entender como depois de lançar WANT e City Lights, a SM teve coragem de reunir Taemin e Baekhyun para um projeto ruim como foi o disco da SuperM. O jeito é fingir que aquilo não aconteceu e focar nos projetos solos e muito superiores de ambos.

Estilo: R&B

Destaques: Todo disco, mas Diamond (gogó de ouro) e Psycho são favoritas junto de UN Village (eu falei que todas eram destaque)

Sobre a autora

Camila Monteiro é jornalista e estudante de doutorado em música, mídia e fandoms. Ama cultura pop e é muito fã de Bangtan. Sua vida se divide em antes e depois que ela viu Park Jimin na sua frente.

Sobre o blog

Nesse espaço discutiremos o Universo Kpopper: fandoms, bandas, debuts, disbands, MVs, álbuns, tours, coreografias, Coréia e tudo que o K-Pop nos oferece. Entre visuals, rappers e vocalistas, ultimates e bias wrecker estabelecido(a)s, vamos refletir sobre as diferentes gerações do pop coreano, a influência na moda, beleza, cultura e como o K-pop muda a vida das pessoas.

KPop Pop Pop