Topo
K-Pop Pop Pop

K-Pop Pop Pop

Obsessão: EXO retorna com seis membros, alter egos e ótimo disco

Camila Monteiro

29/11/2019 20h38

Depois de um ano do lançamento do excelente Don't Mess Up My Tempo, e do seu repackage com a ótima Love Shot, a EXO finalmente retornou, dessa vez sem D.O. e Xiumin e novamente sem Lay. No atual momento ninguém sabe muito bem se o último chinês que restou no grupo algum dia voltará, mas enquanto a SM não dá nenhuma declaração oficial, o desejo das exols de ver o OT9 juntos outra vez segue. Com a ida de D.O. e Xiumin para o Exército, o grupo agora virou um sexteto com Baekhyun, Chen, Kai, Suho, Chanyeol e Sehun. Entretanto nesse comeback eles não estão sozinhos, isso porque nessa nova fase não temos apenas EXO retornando, como também o "debut" da X-EXO, alter egos dos membros do grupo. A curta promoção com fotos e teasers – a SM não faz esforço nenhum em promover o grupo, verdade seja dita – causou grande impacto no twitter, com os personagens quase sempre em #1 nos trending topics.

Abaixo temos teaser do Baekhyun na nova era Obsession:

E aqui temos Chanyeol nas suas duas versões: EXO e X-EXO. Os personagens dos membros todos parecem saídos de uma espécie de Mundo Invertido camp, com muitas lentes de contato, maquiagem, roupas extravagantes e gel no cabelo (estou olhando para você Chen).

Chanyeol em sua versão no mundo invertido (reprodução/@weareoneEXO)

O grupo acabou lançando o teaser da música e o próprio MV e disco, tudo no mesmo dia. Isso porque houve mudança nos calendários (em respeito a morte de Hara). Luzes, cores, Chanyeol from hell, jogo de xadrez e Kai parecendo uma nova versão do Coringa, a repetição de I want you quase como um mantra é a marca de Obsession.

No MV, os membros travam batalhas contra seus alter egos, tudo isso em meio a locações variadas, luzes vermelhas neon, Baekhyun lutando esgrima enquanto Sehun faz a Katniss Everdeen com seu arco e flecha. Chanyeol sem dúvidas é o personagem mais assustador de todos, e no fim esse Mundo Invertido parece muito uma versão kpopper de Suicide Squad. Kai e seu personagem estão particularmente ideais para estrelarem uma versão glam-magic-mike do Coringa. A música parece saída da primeira metade dos anos 2000. Logo que escutei conectei com as produções do Timbaland e os discos inicias de Justin Timberlake. Dois dias depois e a música segue fazendo uma linha Like I love you com singles mais atuais do cantor como Tunnel Vision. Agora sem duas vozes importantíssimas no grupo, Kyungsoo e Xiumin, pude perceber o crescimento do Suho como um grande conector de todos os elementos que a EXO sempre entregou. Ele é geralmente dono das melhores bridges, ao lado de Chen, mas a primeira inserção dele em Obsession já traz um tom diferente que agrega bastante valor a canção.

Como sempre, o restante do disco é tão bom – eu diria ainda melhor – do que a faixa-título. Considero Tempo um dos melhores singles que EXO já teve, e DMUMT é provavelmente meu disco preferido do grupo, portanto eu tinha grandes expectativas ao ouvir esse novo trabalho. Se Obsession, apesar de diferente, não fica com a gente como Tempo e principalmente Love Shot, as b-sides do disco são muito fortes e mostram todas as qualidades vocais, de harmonização e modulação que o grupo possui. Trouble, segunda faixa do álbum é em muitos aspectos superior e a gente se questiona em alguns momentos porque não foi selecionada pra ser lead dessa nova era. No entanto quanto mais se escuta, mais se dá valor a escolha fora da curva para representar uma fase de alter egos. Jekyll poderia fazer parte da trilha de Suicide Squad, e sim, eu estou insistindo nessa narrativa pois pensei nela frequentemente enquanto assistia e ouvia algumas músicas do disco. Conforme o álbum vai avançando, as músicas vão ficando mais EXO e menos experimentais, pela familaridade, elas são mais fáceis de absorver. Meus destaques vão para a quase bossa-nova Groove e para a minha música preferida do momento, Baby You Are, uma daquelas músicas típicas de boyband old school, com um refrão apoiado numa harmonia que funciona muito e cai no ótimo b-b-b-best of me. Apesar de Baekhyun e Chen brilharem liderando os vocais, novamente Suho chama atenção pela cor da voz completamente diferente do restante. Ya Ya Ya e Non stop também são músicas que ficam com a gente apesar de estarem no meio do álbum. Obsession não é o álbum mais coeso e nem o melhor da carreira da EXO, mas ainda assim é um disco interessante, que se arrisca em alguns momentos – infelizmente não o suficiente -, lembra a gente de músicas que foram hits, e mostra que mesmo desfalcados eles tem talentos que seguram muito bem a ausência sentida de Kyungsoo e Minseok. Ainda assim o grupo segue brilhando mais quando volta ao seu habitat natural, combinando vocais poderosos e produções mais simples, que destacam o talento dos membros sem grandes efeitos sonoros. Baby You Are define muito bem o porquê de o grupo ser um dos maiores de todos os tempos no kpop.

Sobre a autora

Camila Monteiro é jornalista e estudante de doutorado em música, mídia e fandoms. Ama cultura pop e é muito fã de Bangtan. Sua vida se divide em antes e depois que ela viu Park Jimin na sua frente.

Sobre o blog

Nesse espaço discutiremos o Universo Kpopper: fandoms, bandas, debuts, disbands, MVs, álbuns, tours, coreografias, Coréia e tudo que o K-Pop nos oferece. Entre visuals, rappers e vocalistas, ultimates e bias wrecker estabelecido(a)s, vamos refletir sobre as diferentes gerações do pop coreano, a influência na moda, beleza, cultura e como o K-pop muda a vida das pessoas.

KPop Pop Pop