Topo
K-Pop Pop Pop

K-Pop Pop Pop

BTS finaliza tour nos Estados Unidos e está quase entre nós. O que esperar?

Camila Monteiro

2022-05-20T19:17:23

22/05/2019 17h23

Os shows de BTS estão cada vez mais próximos (acontecem no próximo fim de semana no Allianz Parque) e vão ser os únicos na América Latina. Antes de chegar ao Brasil, o grupo iniciou a primeira tour deles em estádios nos Estados Unidos, onde eles ficaram por três semanas – dois shows por fim de semana – e levaram mais de 320 mil pessoas para assistir a Love Yourself Tour: Speak Yourself.

Além de fazerem história com shows apoteóticos nos maiores estádios americanos (MetLife, RoseBowl e SoldierField), Bangtan também aproveitou para participar de uma série de programas de tv. Eles abriram a série de shows de verão do GMA, em pleno Central Park, participaram do programa do Stephen Colbert, com uma performance icônica fazendo ode aos Beatles e nessa semana foram visitar o famoso Empire State Building – as luzes do prédio ficaram roxas em homenagem ao grupo – além de participarem da final do The Voice.

Ontem BTS passou pelo iHeartRadio e apesar de a entrevista ter sido abafada pelos gritos das Armys que estavam presentes, tivemos a reunião do grupo com Halsey. A amizade entre eles é das trocas mais interessantes do pop atualmente. Ambos estão em alta e se ajudando (e trollando) nessa indústria que, muitas vezes, é bastante cruel (e tanto Halsey quanto BTS falam sobre isso em suas músicas abertamente).

View this post on Instagram

fam with luv take NYC @bts.bighitofficial 📷: @samdameshek

A post shared by halsey (@iamhalsey) on

A participação na final do The Voice foi pré-gravada semana passada e obviamente já tinha vazado, mas não foi menos comemorada pois o grupo se apresentou junto de grandes nomes da música atual como Taylor Swift, Jonas Brothers, Khalid e a própria Halsey. Os câmeras merecem destaque por terem filmado Boy With Luv corretamente (na América quase sempre as filmagens são bastante inferiores as coreanas).

Com o palco sendo montado e os dançarinos já em solo brasileiro, a ansiedade das Armys é real e trago aqui uma lista com grandes momentos dessa nova tour que merecem o sangue suor e lágrimas investidos no ingresso comprado e no estresse envolvido. Para quem prefere não saber o que vai acontecer no show e ir "spoiler free", indico parar de ler aqui.

  • Tecnologias: Jungkook voando e Namjoon emulando Doutor Estranho

Uma das grandes diferenças da tour Love Yourself (2018) e da atual Speak Yourself é a grandiosidade do show que conta com momentos bastante tecnológicos. Antes Euphoria tinha Jungkook cantando e dançando muito e agora além disso, tem ele voando pelo estádio. A performance claramente teve um upgrade – Jungkook faz a linha vida louca e adora se aventurar por aí – e virou um dos grandes momentos do show. Namjoon (RM) também teve sua performance beneficiada pelos hologramas de coração que são uma mistura de Doutor Estranho com Expecto Patronum de Harry Potter (aposto em ambos pois ele é potterhead e marvete). Abaixo vemos ambos em ação:

    • O caos Anpanman

Anpanman é uma daquelas músicas divertidas de fim de álbum que eu achei que sairia dessa nova set list para dar lugar a novas músicas (momento tristezas pela falta de HOME aqui), porém é claramente um dos auges do show no quesito alegria generalizada. Por ser no fim, todos eles já tão bem mais relaxados e se divertindo e agora eles têm, literalmente, um escorregador inflável num mini parquinho montado no palco. Parece ridículo? Sim. Amamos? Mais ainda. Absolutamente todos os vídeos de Anpanman são hilários com os membros se jogando nos brinquedos, caindo, ficando presos e causando um completo caos.

    • Jimin Bolha

Serendipity é uma das músicas mais lindas do extenso catálogo de Bangtan e a performance não fica atrás. No show anterior Jimin já conquistava o coração de toda e qualquer pessoa com a voz única que ele possui combinada com uma coreografia incrível executada com perfeição. A forma como ele entrega essa coreografia nunca é igual, seja a blusa que ele levanta (todos já sabemos que ele tem tatuagem, nevermind), os sorrisos, o jeito como ele pausa e olha para a platéia. Agora a apresentação fica ainda melhor pois ele começa dentro de uma bolha (ano passado ele vivia estourando bolhas, agora ele sai de dentro de uma). Jimin Bolha é pura magia em forma de performance.

Jimin em Serendipity (reprodução/twitter)

 

    • As roupas da Dior (ou melhor, Hoseok com AQUELA roupa)

Logo antes da tour começar, Kim Jones, diretor criativo da Dior, anunciou uma parceria inédita com BTS. O famoso designer criou roupas para a tour do grupo, mais especificamente para Mic Drop (e Tear). Eu poderia colocar várias imagens das roupas aqui mas não é necessário. Basta ver Hoseok (J-Hope) no vídeo abaixo e você vai entender a força dessa collab entre Dior e BTS.

    • Mikrokosmos, os fogos e todos os sentimentos

Os fins de show de BTS são sempre emocionantes, seja pelos discursos que os membros dão logo antes de cantarem a última música ou porque sabemos que está chegando ao fim uma experiência incrível, porém nada parece se comparar ao que Mikrokosmos vem fazendo com as Armys. A música é ideal para ser cantada em estádios pois tem a veia sing-a-long com os NANANANANANANAs, além disso a letra é bastante tocante e combinada com o arranjo indie/dreamy pop temos a fórmula ideal fim de show. Melhor do que isso só se tivessem dezenas de fogos de artifícios que combinados com as army bombs fazem o estádio parecer uma fazenda de unicórnios. Cores, luzes, brilhos, choros, cantorias, isso é Mikrokosmos. Jimin e Jungkook definem esse momento:

Com o histórico que as B-Armys possuem, resta agora esperar para ver como esses momentos vão ser lindamente ressignificados pelo fandom brasileiro (e latino). Fighting!

Sobre a autora

Camila Monteiro é jornalista e estudante de doutorado em música, mídia e fandoms. Ama cultura pop e é muito fã de Bangtan. Sua vida se divide em antes e depois que ela viu Park Jimin na sua frente.

Sobre o blog

Nesse espaço discutiremos o Universo Kpopper: fandoms, bandas, debuts, disbands, MVs, álbuns, tours, coreografias, Coréia e tudo que o K-Pop nos oferece. Entre visuals, rappers e vocalistas, ultimates e bias wrecker estabelecido(a)s, vamos refletir sobre as diferentes gerações do pop coreano, a influência na moda, beleza, cultura e como o K-pop muda a vida das pessoas.